4 dicas para quitar suas dívidas

É chocante saber que mais de 61 milhões de pessoas que vivem no Brasil têm problemas com dívidas.

No entanto, é importante observar que qualquer pessoa pode se envolver em uma questão financeira devido aos problemas com os quais temos que lidar todos os dias. Embora pareça fácil pegar algumas centenas de reais emprestados, pode levar anos para pagar essa quantia de volta. Quando se trata de quitar dívidas, cada pessoa tem um jeito diferente. Portanto iremos guiá-lo através de algumas estratégias que podem ajudar a sair do débito:

1. Pare de pedir dinheiro emprestado

A maneira mais fácil de sair da dívida é parar de pedir mais dinheiro emprestado. Um dos maiores erros que muitas pessoas cometem é começar a pedir dinheiro emprestado para pagar dívidas existentes. Dessa forma, você apenas adiciona mais ao total de dinheiro que tem para pagar. Despreze o uso de cartões de crédito e fique feliz com tudo o que tiver para gastar. Contenha suas despesas e tente fazer uma demarcação entre necessidades e luxos.

2. Crie um fundo de emergência

Se você tem uma grande dívida acumulada em sua cabeça, é melhor livrar-se dela o mais rápido possível. Poupar em um fundo de emergência parece difícil, mas não é impossível. Por exemplo, se você tiver que pagar R$1.000 nos próximos dez meses, comece a economizar a partir de agora. Prepare refeições caseiras para o almoço e evite comer fora. A maioria dos especialistas afirma que um fundo de emergência ideal varia entre R$6.000 e R$10.000 e pode ser acumulado em 6 a 8 meses.

4 dicas para quitar suas dívidas
Foto: (Reprodução/Internet)

3. Tente negociar sua dívida para uma taxa de juros mais baixa

Se você tem uma grande dívida sobre sua cabeça que é impossível de ser paga em alguns meses, é melhor conversar e firmar um contrato. No entanto, ao firmar um contrato por escrito, duas partes têm uma perspectiva sobre o que exatamente precisa ser feito. 

Juros altos são sempre um fardo quando você pede dinheiro emprestado. Às vezes, o valor dos juros é maior do que o valor real que a pessoa deve pagar. Além disso, taxas de juros mais altas também atrasam o tempo necessário para fazer o pagamento final. 

Se você tiver um bom histórico de crédito, o credor lhe dará um desconto na taxa de juros. Contrariamente a isso, pessoas com um histórico de crédito ruim são incapazes de ganhar a confiança do credor e muitas vezes acabam se contentando com um valor de juros mais alto.

4. Considere ajuda profissional

Se você não tem experiência prática em administrar suas finanças da melhor maneira possível, não há mal nenhum em considerar ajuda profissional. Você pode obter facilmente um plano de gestão da dívida de um especialista financeiro. Informe o conselheiro de crédito sobre sua situação financeira atual e despesas mensais. Ele/ela elaborará um plano inteligente para você que durará alguns meses. Depois que você começar a segui-lo, as coisas ficarão fáceis e o valor da sua dívida diminuirá.

Veja também: GPS offline, por que ninguém merece ficar perdido

Traduzido e adaptado por equipe Dinheirao.

Fonte: Business Mole