Estabilização do Real alivia pressão inflacionária, disse presidente do Banco Central

O real parece ter parado de enfraquecer e agora está se estabilizando, indicando que a pressão de alta sobre a inflação de uma taxa de câmbio persistentemente fraca este ano vai se dissipar, disse Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, na quinta-feira.

Em uma entrevista online para o meio de comunicação MyNews, Campos Neto disse que o Banco Central tem uma visão de longo prazo sobre a inflação, e há poucos indícios de que as pressões sobre os preços de longo prazo mudaram muito ou que a inflação ultrapassará a meta do banco no próximo ano.

“Vemos que o câmbio parou (enfraqueceu), ou está nesses níveis há algum tempo, então achamos que esse efeito (sobre a inflação) vai suavizar”, disse Campos Neto.

Este ano o real do Brasil está entre as moedas de pior desempenho do mundo este ano

Caindo quase 30% em relação ao dólar devido às baixas taxas de juros recorde e à incerteza em torno da estabilidade fiscal do governo. Isso, junto com o aumento dos preços dos alimentos e a forte demanda do consumidor graças aos pagamentos de ajuda emergencial do governo, elevou a inflação a tal ponto que muitos economistas agora dizem que o Banco Central começará a aumentar as taxas de juros no início do próximo ano do que eles pensavam anteriormente.

O real caiu tão baixo quanto R$6,00 por dólar no início deste ano, mas se recuperou e agora está testando um nível técnico importante em sua média móvel de 200 dias.

Estabilização do Real alivia pressão inflacionária, disse presidente do Banco Central
Foto: (Reprodução/Internet)

Campos Neto disse que o Banco Central não olha para a inflação no dia a dia, mas tem uma visão de longo prazo.

“Não é apenas o Banco Central que pensa que as expectativas de inflação a longo prazo não estão aumentando. O mercado também não pensa assim. É importante apontar isso ”, disse ele.

As metas oficiais de inflação do Banco Central para este ano, o próximo ano e 2022 são 4,00%, 3,75% e 3,50%, respectivamente. De acordo com a última pesquisa semanal do Banco Central com economistas, a inflação vai cair neste ano e no próximo, e chegará a 3,50% em 2022.

Mas os dados de inflação dos preços ao produtor na quinta-feira sugeriram que a pressão de alta continua forte, com os preços de fábrica em outubro subindo a um ritmo recorde mensal de 3,4%.

Veja também: 4 dicas para quitar suas dívidas

Traduzido e adaptado por equipe Dinheirao.

Fonte: Financial Post