Banco da Inglaterra prepara arsenal para lidar com qualquer interrupção do Brexit

O Banco da Inglaterra tomou medidas na sexta-feira para manter os bancos emprestando até 2021 enquanto a Grã-Bretanha luta com a pandemia de COVID-19 e se prepara para qualquer interrupção do mercado devido a uma grande mudança na relação comercial do Reino Unido com a União Europeia.

O governador Andrew Bailey disse que o banco central fez todo o possível para mitigar os riscos de uma saída sem acordo da UE em 31 de dezembro e que estava pronto para lidar com qualquer perturbação nos mercados financeiros.

“O que o Banco da Inglaterra tem em seu arsenal, por assim dizer? A resposta é muito. Usaremos nossas ferramentas, como fizemos em março, se estivermos nessa situação ”, disse Bailey em entrevista coletiva.

O BoE acelerou os leilões de liquidez de mercado no início da pandemia, bem como cortou as taxas de juros a um nível recorde e reiniciou seu programa de compra de ativos. Perturbações do mercado não ameaçariam a estabilidade financeira, mas Bailey advertiu que alguns clientes da UE podem não conseguir acessar os serviços financeiros britânicos porque a UE não tomou medidas de mitigação. 

Há um limite para o que podemos fazer”, disse Bailey.

A volatilidade do mercado pode ser reforçada pelo fato de alguns usuários de derivativos não estarem totalmente prontos para negociar com contrapartes da UE ou em locais de negociação reconhecidos pela UE, disse o BoE. “As instituições financeiras devem continuar tomando medidas para minimizar a interrupção”, disse.

O primeiro-ministro Boris Johnson disse na quinta-feira que havia uma “forte possibilidade” de que um período de transição pós-Brexit terminasse em 31 de dezembro sem um acordo para evitar tarifas sobre as exportações britânicas para a União Europeia

Bailey disse estar confiante de que Londres continuará a ser um dos principais centros financeiros do mundo e disse que as perdas de empregos no setor foram muito menores do que algumas pessoas temiam na época do referendo do Brexit de 2016.

‘SISTEMA TEM RESILIÊNCIA’

O banco central (BoE) disse que o buffer de capital anticíclico – dinheiro extra que os bancos devem reservar durante os bons tempos econômicos – seria mantido em zero até pelo menos o último trimestre de 2021. Os bancos não precisariam implementar nenhuma mudança futura até o final de 2022 e deveriam usar essa flexibilidade para apoiar os empréstimos para o resto da economia, acrescentou o BoE.

“Nossa mensagem hoje é que o sistema financeiro tem resiliência para continuar fazendo isso”, disse Bailey. Na quinta-feira, o BoE anunciou que permitiria aos bancos reiniciar o pagamento de dividendos e bônus executivos.

Os bancos enfrentariam desafios no próximo ano devido ao aumento do desemprego e à insolvência de empresas, mas estavam bem preparados e poderiam absorver perdas de até 200 bilhões de libras (US $ 265 bilhões), disse o BoE.

O BoE previu no mês passado que a economia da Grã-Bretanha encolheria 11% este ano como resultado da pandemia e cresceria 7,25% em 2021, levando até o primeiro trimestre de 2022 para retornar ao seu tamanho pré-crise.

Esperava-se que o desemprego atingisse um pico de 7,8% no segundo trimestre do próximo ano. O BoE também reiterou que não relaxaria os padrões regulatórios, seja qual for o resultado das negociações comerciais pós-Brexit.

No entanto, planeja revisar os limites de empréstimos hipotecários, estabelecidos pela primeira vez em 2014, para ver se ainda eram adequados em um ambiente de taxas de juros de longo prazo mais baixas.

Veja também: Vagas de emprego: Inglaterra gera vagas temporárias por conta de incerteza

Traduzido e adaptado por equipe Dinheirao.

Fonte: Business Matters